Principal

 

 Quem Somos

 

 Criadores

 

 Calendário

 

 Torneios

 

 Regulamento

 

 Notícias

 

 Fotos

 

 Videos

 

 Legislação

 

 Links

 

 Contato

Regulamento

 

LIGA SULBRASILEIRA DE CRIADORES DE PÁSSAROS - LSB

 

REGULAMENTO GERAL DOS TORNEIOS DE FIBRA DE CURIÓ, COLEIRA, TRINCA-FERRO, BICUDO E CANÁRIO DA TERRA.
(Corrigido e atualizado em 21.06.2007)

 

Objetivo 01
Das Disposições Gerais e Inscrições 02
Do Local 03
Do Pessoal Responsável / Atribuições 04
Das Marcações 05
Da Conceituação de Canto 06
Da Classificação Final 07
Da Desclassificação 08
Da Apuração 09
Do Calendário 10
Da Premiação 11
Das Penalidades 12
Das Outras Disposições 13

 

1 - DA FINALIDADE E OBJETIVO

 

1.1-  O objetivo deste regulamento é estabelecer normas que regerão os torneios oficiais de Fibra de Curió, Coleira, Trinca-Ferro, Canário e Bicudo realizados pela Liga Sul Brasileira de Criadores de  Pássaros – LSB.

 

1.2 - Ficam  instituídos os torneios Sul Brasileiro de Curió (fibra e canto),  e internos dos respectivos Clubes, nas categorias    de Coleira, Trinca-Ferro, Canário e Bicudo , livre ou fibra.

 

1.3 - Quando no município de uma região estiver sendo realizado um torneio oficial Sul Brasileiro , fica terminantemente  proibido a realização de qualquer  outro torneio paralelo em outra cidade da mesma  região.

 

2 - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E INSCRIÇÕES

 

2.1 - A LSB revisará periodicamente as normas deste regulamento, acolhendo as sugestões dos Clubes/Associações filiados, visando sempre o seu aprimoramento.

 

2.2 - A inscrições para participação nos  torneios serão feitas  através da aquisição de  cartelas, no próprio local e preenchidas  sem rasuras ou emendas com todos os dados dos pássaros e proprietários, mediante a apresentação da carteira do Clube filiado ,  do ano vigente. Após o pagamento da taxa de inscrição o mesário sorteará  CARTELA , que conterá o número da respectiva estaca para a colocação da gaiola.

 

2.3 - Todos os pássaros inscritos para os torneios promovidos pela LSB, deverão estar de conformidade com a legislação vigente, portando anilhas invioláveis, e constantes da relação existente no SISPASS.

 

2.4 - As inscrições para o torneio, de participantes, que não apresentarem carteira de filiação a qualquer Clube,   ou, ainda, que não estiverem em dia com suas obrigações, ainda que associados,  terão a taxa de inscrição majorada em 100%, desde que  apresente Relação Atualizada de Passeriformes.

 

2.5 - Não será permitido o ingresso, no local da disputa, com  uso de bonés, chapéus, óculos escuros , guarda-chuvas, celulares ligados  ou, ainda,  similares que possam prejudicar o andamento da marcação  no ambiente do torneio.
       As reclamações de  qualquer natureza, só serão aceitas por escrito e no prazo máximo de três dias após a realização do Torneio, e serão repassadas ao seu Clube filiado, para as providências que julgarem necessárias.

 

2.6 - A gaiola do pássaro inscrito,  deverá ser identificada com plaqueta ou etiqueta com registro do CTF (Cadastro Técnico Federal) afixada em local visível, com os dados completos do anel.


2.7 - A gaiola do Coleira, para a participação no torneio,  deverá ser do tipo padrão, (quadrada ou abaloada), medindo 36,00 a  40,00cm de comprimento e 32,00 a 35,00cm de altura e 17,50cm de largura.

 

2.8 - A gaiola do Trinca-Ferro, para a participação no torneio,                   obrigatoriamente deverá ser do tipo padrão (quadrada ou abaloada), medindo 44,00 a 50,00cm de comprimento, 40,00cm de altura e 22,00cm de largura.

 

    • - A gaiola do Curió, para a participação no torneio,  deverá ser do tipo padrão,  medindo 47,00cm de comprimento e 47,00cm de altura e 20,00cm de largura  com tolerância de 1,00cm a mais ou a menos.

 

2.10    - A gaiola do Bicudo, para a participação no torneio  deverá ser do tipo padrão, medindo  47,50cm de comprimento, 51,00cm de altura e 21,50cm de largura.

 

2.11    - A gaiola do Canário, para a participação no torneio deverá ser do tipo padrão, medindo 46,00cm de comprimento, 47,50cm de altura e 20,00cm de largura.

 

2.12    - Não serão permitidos nas gaiolas  qualquer ornamentação , exceto :frutas,  e legumes, no caso de Trinca-Ferro,  desde que fiquem acondicionadas dentro dos comedouros ou na parte dos fundos da gaiola.

 

2.13 - Os presidentes dos clubes filiados a LSB, em reunião fixarão anualmente o valor de taxa de inscrição.

2.14 - Só poderão participar do torneio pássaros adultos com plumagem específica que determina a maturidade do mesmo (preto). Nos casos das categorias "PARDOS" só poderão participar pássaros com no máximo 10% da cor adulta (preto).

 

2.15 - Não poderão participar do torneio, pássaros híbridos e pássaros com deficiências físicas, que venham comprometer seu    desempenho e causar sacrifício, bem como pássaros com pigmentação branca ou outra cor , acima de, aproximadamente , 40% da plumagem original da espécie.

 

2.16 - Altura do Cocho – Não poderá haver na gaiola nenhum objeto que bloqueie a visão dos pássaros em tamanho superior a 10 cm. e nem poderão se situar na sua parte superior acima de 55 %, do fundo da gaiola, ficando assim, limitada a altura dos cochos, porta cochos e porta bebedouros, ou qualquer outro objeto que dificulte a visão entre os pássaros diferentes das medidas aqui previstas. No caso de bebedouros externos, o mesmo deverá ficar na parte traseira da gaiola para facilitar a marcação.

 

2.17 - O reagrupamento das estacas, deverá acontecer por no máximo duas vezes,  após a limpeza da roda  que terá início entre 9,15 a 9,30 hs. ,O primeiro reagrupamento será  no mínimo 20min (vinte minutos) antes da marcação classificatória e o 2º reagrupamento dar-se-á no mínimo 20min (vinte minutos) antes da marcação final. Após os reagrupamentos,  havendo  saída de algum pássaro participante, o espaço continuará vago, até o final da marcação.

 

2.18 – A limpeza da roda   compreende a retirada de pássaros que não cantarem absolutamente nada no prazo de 2 minutos no horário em que estiver sendo feita a limpeza; e, ainda, que estiverem piando frio ou chamando fêmea  - pio de corrido e, também, quando estiver fazendo “ pits “ mais especificamente para TRINCA FERRO.

 

2.19 – Essa situação deverá, preferencialmente, ser acompanhada pelo proprietário, se estiver presente ao local, valendo como advertência de que, previamente, todos ficam cientificados deste procedimento, através da AFIXAÇÃO DO REGULAMENTO NO LOCAL DO TORNEIO, para não alegarem desconhecimento posterior.

 

            2.20 – Não estando presente o proprietário no momento da limpeza da roda,  a cartela do pássaro flagrado nesta situação, será colocada com a parte do anverso  - parte branca  sem impressão – virada para fora, devendo os responsáveis pela limpeza, fazerem um “ X “ que será o SINAL  DA RETIRADA DO PÁSSARO, cabendo ao proprietário, antes do início do fechamento da roda, retira-lo dali.

 

            2.21 – O pássaro que, no momento da limpeza de roda,  estiver tomando banho, seja seco ou no vasilhame próprio, não poderá ser aferido em relação aos problemas mencionados nos itens anteriores, devendo os responsáveis  pela limpeza, efetuarem nova avaliação – vistoria – após o término do banho, em prazo não superior a 15 minutos.

 

            2.22 – No momento do  horário estabelecido para o início da marcação – classificatória e ou vassourada e na  final – é obrigatória a presença do proprietário de coleiros e trinca ferro,  à frente de sua gaiola, para que possa acompanhar o andamento do sorteio do canto por onde se iniciará a marcação, bem como para promover o cumprimento do procedimento estabelecido no item 4.2.25.


 
           2.23 – Para dar cumprimento à exigência acima, o Clube encarregado da organização do  Torneio, bem como a LSB, deverão afixar, com antecedência, placas em tamanho destacado, indicando os horários que se iniciarão a marcação.

 

 

3 - DA PREPARAÇÃO DO LOCAL

 

3.1 -  Os torneios serão realizados em recinto fechado, coberto, protegido do sol, chuva e vento e  bem arejado, que atendam rigorosamente ao contido na Instrução Normativa do IBAMA, vedado, portanto, a realização em bares, salas de aula e outros ambientes acanhados.

 

3.2      - A lanchonete existente no local do Torneio, deverá estar aberta a partir das 07:00 h

 

3.3      - Não será admitida a colocação da gaiola  do pássaro na roda após o horário determinado para o início do Torneio, mesmo que tenha havido inscrição anterior antes do horário fixado.

 

3.4 - A estaca deverá ser de madeira ou metal, numerada seqüencialmente, com dispositivo para colocação da gaiola, medindo de 1,40m a 1,60m de altura.

 

3.5 - A estaca deverá ser colocada de maneira que uma gaiola fique distante da outra de 20 cm.

 

3.6 - Cada estaca deverá possuir 2 (dois) pinos de suporte, aproximadamente 50,00cm do chão para colocação da cartela de marcação e número da estaca.

 

4 - DO PESSOAL RESPONSÁVEL / ATRIBUIÇÕES

 

4.1 DO PRESIDENTE DO CLUBE / ASSOCIAÇÃO:

 

 4.1.1 - Ficará responsável pela ordem do torneio e do cumprimento deste regulamento.

 

4.1.2 - O Coordenador de Roda será o Diretor do respectivo Clube.apto para exercer a função., o qual indicará mais três auxiliares de Roda, os quais, preferencialmente, deverão portar um crachá com essa identificação.

 

4.1.3 - Em caso da mudança do local do torneio, informar a LSB, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, divulgando assim, o novo endereço completo do local.

 

4.1.4   - Fornecer os materiais para a realização do torneio, (estacas, mapas, cronômetros, relação de inscrição de pássaros, canetas, pranchetas de madeira ou acrílico com pegador, fitas adesivas, etc.).

    

4.1.5   - Supervisionar, de maneira geral o andamento do torneio, conceder entrevista à imprensa, acompanhar as autoridades que porventura visitem o evento, fazer parte da comissão apuradora e anunciar o resultado do torneio, procedendo a entrega de troféus, observando o sentido de classificação do  primeiro para o último, solicitando aos participantes, que não abandonem o local antes da entrega do último troféu.

 

4.1.6   - Deverá enviar a LSB, a súmula (mapa do torneio), num prazo máximo de 72 (setenta e duas) horas após a data da realização do evento.

 

4.1.7 - Para realizar o torneio, todo clube deverá ter no dia do evento pessoal disponível, que se encarregará de isolar o local do evento.

 

 

4.2  -  DO COORDENADOR DE RODA:

 

4.2.0 – Diligenciar para  que os proprietários de pássaros inscritos no Torneio  se disponham   a marcar  outro , ou, então, indicar   um preposto para essa tarefa, esclarecendo que, não havendo pessoas disponíveis em número suficiente, o Torneio será encerrado sem marcação, Caso haja no local, proprietários que possam exercer essa tarefa, havendo negativa por parte deste, será retirada sua gaiola, como desclassificada.

 

4.2.1 - Cumprir e fazer cumprir as normas deste regulamento e observar atentamente o desenrolar do torneio, usando sempre o critério de bom senso e justiça.

 

4.2.2  - Caso o Coordenador de roda necessite se afastar da mesma ,  deverá indicar um substituto.

 

4.2.3 - Durante o torneio o Coordenador , no momento da marcação não poderá permanecer no centro da roda, realizando sua vistoria sempre do lado de fora.

 

4.2.4   - O Coordenador de roda, no início do torneio deverá fazer um sorteio, dos 4 (quatro) cantos do local do evento, para saber por qual  estaca  se iniciará a contagem, critério válido para as  2 (duas) marcações (classificatória e final). O sentido da marcação será  da esquerda para a direita na fase classificatória e, ao contrário, na fase final, para que não seja penalizado sempre o mesmo pássaro.

 

4.2.5 - Os torneios de Curió, Coleira e Trinca-Ferro terão início às 08:30h (oito horas e trinta minutos), e término aproximadamente às 12:00h (doze horas). Os torneios de Bicudo e Canário, terão início às 09:00h (nove horas e término às 12:00h (doze horas).

 

4.2.6 - Em caso da retirada de pássaro , voluntária ou compulsória,  durante o torneio, os espaços deverão permanecer vagos até o reagrupamento. (ver item 2.15).

 

4.2.7 - As estacas serão reagrupadas após a limpeza da roda, na marcação classificatória e 20 ( vinte ) minutos antes  da marcação final. Observar-se-á,  sempre o tempo faltante em   relação a quantidade de gaiolas, para não ultrapassar o horário estabelecido para  o término do torneio.

 

4.2.8   - As cartelas dos pássaros desclassificados serão retiradas pelo Coordenador e entregues ao mesário.

 

4.2.9   - Proceder a retirada de algum pássaro em conformidade com os   itens 2.6, até  2.20.

 

  • 2. 10 - Proceder, após a o início da marcação,  a desclassificação de qualquer pássaro que estiver piando frio ou chamando fêmea, por no mínimo 3 (três) vezes consecutivas, sem que  cante em seguida.

 

 

Observação: - . Neste caso,  o Coordenador deverá solicitar a avaliação de um  auxiliar, antes de desclassificar o pássaro participante.

 

4.2.11 - Efetuar a substituição do marcador que  estiver marcando o seu próprio pássaro.

 

4.2.12 - Efetuar a substituição de algum membro do corpo de marcadores.

 

4.2.13 - Identificar os marcadores de modo que nenhum pássaro fique sem ser marcado.

 

4.2.14     -  Dar de viva voz, o início e o término das marcações.

 

4.2.15 - Dispor e organizar as gaiolas nas estacas com habilidade e cuidado, visando não espantar o pássaro evitando o uso de óculos escuros.

 

4.2.16  - Fiscalizar o modelo e tamanho de cada gaiola, não  admitindo aquelas que fujam aos padrões especificados bem como, ajustar a altura das mesmas nas estacas, para que todas fiquem no mesmo nível.

 

4.2.17 - Retirar a cartela da estaca do pássaro desclassificado ou retirado da roda e entregar ao mesário.

 

4.2.18 - Suspender temporariamente a marcação se algum fato estranho ocorrer durante a marcação, reiniciando a mesma, tão logo seja normalizada a situação.

 

4.2.19 - Caso algum inseto ou similar perturbe o pássaro durante a sua  marcação a mesma será interrompida e anulada, sendo o pássaro marcado posteriormente.

 

4.2.20 - Avaliar a eficiência e conhecimento dos marcadores e  propor, se for o caso, a sua substituição.

 

4.2.21 - Manter as estacas a distância obrigatória de 1,50m do público e dos proprietários dos pássaros participantes.

 

4.2.22 - Apurar as reclamações dos proprietários que se sintam                   prejudicados pelos marcadores, levando em conta que o proprietário deve ser respeitado e que  tem o direito de reclamar. Não aceitar, porém, reclamações que sejam feitas de forma OSTENSIVA, visando colocar os participantes, contra os responsáveis.

 

4.2.23 - Penalizar  com desclassificação, o proprietário do pássaro  que tenha retirado toda água e/ou toda comida da gaiola.

 

4.2.24  -  Penalizar com exclusão da competição, o proprietário do pássaro que estiver manipulando a gaiola durante a marcação ou marcando o próprio pássaro, sem autorização do Coordenador.

 

4.2.25 -  Em torneios de Curiós selecionar os marcadores para a marcação eletrônica.  Caso seja em cartelas, fazer a distribuição das mesmas aleatoriamente , sem que seja possível a visualização do nome do competidor . Nos torneios de Coleira e Trinca-Ferro, no momento da marcação, as cartelas deverão estar colocadas na estaca, com a face de identificação virada para dentro. em frente às respectivas gaiolas. Nesta ocasião os proprietários deverão estar   posicionados em frente a seus pássaros e em seguida se deslocarem para a direita ou esquerda, contando no máximo 7 (sete) gaiolas, como for determinado pelo Chefe de Roda.  A marcação será de 15 minutos, sem troca de marcadores.

 

4.2.26 – Na fase final da marcação, os marcadores serão reduzidos pela metade, promovendo-se a marcação com inversão de lado, para possibilitar que os proprietários acompanhem seus próprios pássaros. Neste caso, as cartelas permanecerão nas respectivas estacas e os marcadores é que rodarão, na mesma ordem que estavam no lado oposto. Quando houver proprietário com mais de um pássaro participante na mesma bateria, o Coordenador deverá providenciar marcadores para avaliar os mesmos. É de competência do Coordenador evitar que na marcação final um  marcador marque o mesmo pássaro mais de uma vez.

 

4.2.26  - Cabe  ao marcador, avisar o Coordenador  se  cartela que lhe couber marcar, for a do seu próprio pássaro ,  devolvendo-a  para que haja substituição por outro marcador.

 

4.2.27 - Não permitir que marcadores proprietários de pássaros participantes que estejam disputando as primeiras posições marquem o pássaro de seu concorrente imediato.

 

4.2.28 - Ninguém  poderá alterar o número de cantadas nas cartelas,                  mesmo quando ocorrer divergências com os proprietários,  caso em que, tendo havido  falta grave,  poderá, a critério do Coordenador, ser trocado o marcador , relatando-se o fato para a LSB  através de registro no mapa (sumula).

 

 

4.3  -  DO  MARCADOR:

 

4.3.1 -  Devolver a cartela caso coincida com a do seu próprio pássaro e/ou do seu concorrente direto.

 

4.3.2  - Acatar as determinações do Coordenador de roda.

 

4.3.3 - Não fumar, não beber, não usar óculos escuros e não usar bonés e/ou chapéus
                

 

5 - DAS MARCAÇÕES

 

5.1 -  Durante os torneios serão realizadas 02 (duas) marcações:

 

- a marcação classificatória com duração de 10 (dez  ) minutos ininterruptos, com início aproximadamente às 10:00h (dez horas);

 

- a marcação final com duração de 15 (quinze ) minutos, dividida em 2 etapas de 7,30  (sete minutos e trinta segundos), sempre com troca de marcadores (ver item 4.2.25), com início  dentro de horário compatível com o número de gaiolas existentes na roda, para que não se ultrapasse o horário  estabelecido conforme item 4.2.5. Excepciona-se desta regra, os coleiros e trinca ferro, que a marcação será corrida.

 

5.2  -  Em caso de empate de um ou mais pássaros no torneio, será  aplicado:

 

a ) Quando houver empate na  marcação classificatória,  entre os últimos colocados, dentro do limite estabelecido, serão considerados todos como classificados, aumentando-se, assim, o número dos que prosseguirão para a etapa subseqüente.

 

b ) Na marcação final, computar-se-á para fins de desempate, o melhor desempenho na etapa classificatória. Mantido o empate, dar-se-á preferência ao pássaro do competidor visitante. Sendo ambos da mesma cidade, haverá sorteio, tipo cara ou coroa. Se forem visitantes de cidades distintas, prevalecerá o mais distante.

 

5.3 -  Os pássaros empatados receberão a mesma pontuação, valendo o critério de desempate, apenas para definir a entrega do troféu.

 

5.4  - Na marcação classificatória e final, deverão ser sorteados os cantos pelos quais se iniciará a marcação., conforme item 4.2.4.

 

5.5 - No caso de haver  na roda,     menos de 40 ( quarenta ) gaiolas, não haverá marcação classificatória, cabendo ao Coordenador de roda proceder a eliminação dos pássaros que não estiverem cantando, obedecido o mesmo prazo fixado para a limpeza da roda, ou seja, 2 minutos.


6 - DA CONCEITUAÇÃO DO CANTO

6.1  - Uma nota, quando representativas  de  cantos  originais serão consideradas  como 1(um) canto,  posto que não existe meia cantada, considerando-se que o parâmetro atualmente utilizado para apuração de cantos – curió – é em razão do tempo.

 

6.2  - O pássaro “viciado” que cantar completamente igual a outro pássaro (ex: Coleira, Azulão e outros), terá o canto marcado, tendo em vista  que na fibra não é medida a qualidade do canto e sim a valentia, raça e disposição para cantar.


7 - DA CLASSIFICAÇÃO E FINAL

 

7.1 -  Serão classificados, os pássaros que tiverem o maior número de cantos, pela apuração do tempo computado.

 

CURIÓ

 

7.2 -  Na marcação, para fins de classificação, numa roda de até 100 (cem) pássaros, serão selecionados os 40 (quarenta) melhores colocados, e,  acima de 100 (cem), serão selecionados os 50 (cinqüenta) melhores colocados.

 

- Na classificação final, somente os 20 (vinte) primeiros colocados receberão troféus e  pontuação. O 1º (primeiro) colocado receberá 30 (trinta) pontos, o segundo 27 ( vinte e sete ), o terceiro 24 ( vinte e quatro ), o quarto 21 ( vinte e um ), o quinto 19 ( dezenove ), o sexto 17 ( dezessete ), o sétimo 15 ( quinze), o oitavo 13 ( treze ), e, a partir daí, um ponto a menos,   regressivamente,  até o vigésimo que receberá  1 (um) ponto.

 

OBSERVAÇÃO: Ver Tabela de Pontuação, no final

 

7.3 -  Em caso de empate, na classificação final do campeonato, será considerado vencedor, o pássaro que obtiver o maior número de 1º (primeiros) lugares. Na persistência do empate, serão observados o maior número de 2º (segundos) lugares e assim sucessivamente.

7.4 -  Os pássaros  nos torneios ,cujos proprietários não forem   filiados a clubes da LSB,  receberão o troféu classificatório do referido torneio    e serão computados os pontos para  a classificação geral dos torneios da LSB.


8 - DA DESCLASSIFICAÇÃO

 

Serão desclassificados os pássaros que:

 

8.1 -  O  proprietário ou representante, não se portar com educação e fineza com os outros  participantes ou organizadores do evento.

 

8.2 - O  proprietário ou representante, estiver manipulando a gaiola durante o desenvolvimento de uma competição.

 

8.3 -  Que estiver sendo marcado pelo proprietário ou pessoa que o represente.

 

8.4 - O  proprietário ou representante estiver reclamando acintosamente com do marcador, sem se dirigir ao  Coordenador de roda.

 

8.5 -  Ainda que tenha  sido  marcado na fase classificatória,   piar frio ou chamar fêmea,  sem cantar em seguida ou, ainda, quando  for retirado da roda pelo seu proprietário ou representante, por qualquer motivo, antes da marcação final.

 

8.6 - O  proprietário ou representante negar-se a, sem justa causa,                    quando solicitado pelo Coordenador de Torneio, a auxiliar , inclusive na marcação.

 

8.7 - O  proprietário ou representante, quando  solicitado, se negar a apresentar os respectivos documentos.


9 - DA APURAÇÃO

 

9.1 -    Os cantos dos pássaros serão registrados  em cartela apropriada, e os classificados serão pontuados de acordo com a Tabela constante deste Regulamento
                 

10–DO CALENDÁRIO


10.1 -  O calendário oficial dos torneios será elaborado anualmente pela Liga  Sul Brasileira de Criadores de Pássaros - LSB por ocasião de sua Assembléia Geral; e as escolhas das datas serão por consenso dos presidentes e/ou representantes legais dos Clubes/Associações filiados a LSB. Caso não haja consenso dos presidentes e/ou representantes legais dos Clubes/Associações envolvidas, os mesmos serão sorteados e o ganhador terá o privilégio da escolha da data.

 

10.2 - O Clube/Associação filiado a LSB que, porventura, após a   escolha de data do torneio oficial, estiver impossibilitado de promovê-lo deverá informar a LSB com no mínimo 30 (trinta) dias de antecedência e o não comparecimento do presidente e/ou representante legal, na assembléia para escolha de datas, impossibilitará  o Clube de realizar os torneios da temporada em curso.

 

10.3 - Após a elaboração, o calendário oficial será encaminhado pelo Clube/Associação   ao IBAMA para a sua aprovação.


 

11 - DA PREMIAÇÃO

 

 11.1   Será oferecida pelo clube/associação promotor:

 

CURIÓ   -  20 Troféus do 1º (primeiro) ao 20º (vigésimo).

 

COLEIRA  -  20  troféus do 1º (primeiro) ao 20º (vigésimo).

 

TRINCA-FERRO   -  20 troféus do 1º(primeiro) ao 20º(vigésimo).
BICUDO  -  05 troféus do 1º(primeiro) ao 5º(quinto).

 

CANÁRIO - 05  troféus  do 1º(primeiro)  ao 5º(quinto).


 11.2 -  A LSB, no final da temporada, premiará com diplomas, os  20 (vinte) melhores colocados da temporada vigente os melhores colocados nas categoria de fibra de Coleiro,  Trinca Ferro e Curió, bem como os 5 ( cinco ) melhores classificados na categoria de canto .


12 – DAS PENALIDADES

 

12.1  - Todos aqueles que por ação ou omissão, causarem prejuízos a terceiros, em decorrência dos   torneios ou cometerem qualquer espécie de indisciplina, responderá nos termos deste regulamento ou  da legislação civil.

 

12.2   - As penas disciplinares consistem em:

 

  • Advertência
  • Censura

 

c)         Suspensão
d)        Eliminação do Torneio.

 

12.3 - A pena de Advertência é aplicável verbalmente ou por escrito quando a infração cometida for de natureza leve,   relativas ao descumprimento deste  regulamento, e válida somente para infratores primários.

 

12.4  - A pena de Censura é aplicável por escrito e quando a infração cometida for de  natureza média,  desde que   não haja circunstância atenuante , mesmo quando o for infrator  primário.


           
            12.5 - A pena de suspensão , que variará entre 30 e 60 dias, é aplicável quando a infração cometida for de natureza grave,  ainda que o infrator seja primário.

 

            12.6 -  A pena de eliminação será aplicada ao infrator, quando a infração cometida for de natureza gravíssima, acarretando ao infrator ( participante do Torneio) o impedimento de  participar dos Torneios subsequentes, no ano da competição, exceto se já tiver decorrido 2/3 do seu total, caso em que, a pena se estenderá para o ano seguinte.

 

 12.7   - Todas as penas previstas neste Regulamento, serão decididas e aplicadas por uma Comissão, que será composta por no mínimo três pessoas, indicadas pela LSB, as quais terão autonomia para proceder a classificação das infrações cometidas.
12.8 – As infrações previstas neste tópico, relativas a suspensão e eliminação, são aplicáveis ao proprietário e os respectivos pássaros existentes em sua relação, que não poderão ser apresentados por terceiros.

 

12.9   - Em todos os casos, a  penalidade será aplicada, oferecendo-se ao infrator, o direito da mais ampla defesa.

 

 12.10 -  Qualquer proprietário de pássaro que se sentir prejudicado por atos praticados pelos organizadores do evento ou por terceiros,  deverá enviar sua reclamação por escrito ao Clube/Associação filiado. O Clube/Associação deverá enviar, todo documento de reclamação  de seus associados  para a LSB para os providências necessárias, sendo obrigatória, a resposta por parte da LSB, mesmo quando não houver reconhecimento do direito reclamado.
 12.10 -  O Clube/Associação que deixar de enviar a LSB, no prazo  de 72:00h (setenta e duas horas) após a  realização do torneio, os mapas de apuração devidamente preenchidos  em todos os seus  campos e com todos os dados completos, se sujeitará  as    penalidades,  definidas em reunião da LSB.

 

13 - DAS OUTRAS DISPOSIÇÕES

 

               13.1 - Não será permitida a permanência de pássaros de outras espécies ou gaiolas vazias no ambiente do torneio.

 

 13.2 - O acesso de qualquer participante ao interior da roda só será permitido quando autorizado pelo Coordenador.

 

 13.3 - Todos os proprietários e/ou representantes de pássaros, presentes no local do torneio, deverão proteger suas aves, evitando que  sejam assustados, não permitindo que se aproximem das gaiolas,   animais, crianças, ou  pessoas portando latas de bebidas, chapéus, bonés, guarda-chuvas, óculos escuros e/ou qualquer objeto capaz de espantar a pássaro.

 

           13.4   - É de responsabilidade dos clubes filiados a LSB requerer junto ao IBAMA as devidas  autorização e/ou licença de torneios/exposições etc.

           13.5 - As autorizações e/ou licenças de torneios/exposições, obrigatoriamente, deverão estar expostas, em local visível durante a realização do evento, sem rasuras ou  emendas e deverão ser apresentadas em caso de fiscalização,  para as autoridades devidamente identificadas.

 

       13.6 - O Clube, que no momento do torneio, descumprir normas deste regulamento, não receberá autorização/licença para a realização dos torneios seguintes, até o  efetivo julgamento pela LSB.

 

            13..7 - Os casos omissos ao presente regulamento serão avaliados e resolvidos pelos presidentes dos Clubes filiados à LSB,  em reunião posterior para as devidas correções.

 

 

       14. – INTERRUPÇÃO EXCEPCIONAL DA MARCAÇÃO.

 

          14. 1 – Ainda que esteja ocorrendo a marcação final, de qualquer categoria, o Coordenador de Roda está autorizado a interromper a marcação, quando um ou mais pássaros estiverem piando frio ou chamando fêmea – curió e coleiro –  por três vezes ,  e, com isso, prejudicando o que está ao seu lado, procedendo como determinado nos itens subseqüentes.

 

         14.2 – A mesma regra, á válida para trinca ferro que estiver fazendo pits, sem cantar.


            14.3. – Neste caso, a contagem será anulada, integralmente, para os curiós, iniciando-se uma nova, após a retirada do (s) pássaro faltoso, sem reagrupamento das gaiolas concedendo-se um intervalo de no mínimo 2 ( dois  ) minutos após a retidada para reinicio da marcação.


            14.4 – Se o fato ocorrer dentro do prazo de 1/3 da marcação, a marcação será feita novamente, computando-se um novo tempo integral.


            14.5 – Se o fato ocorrer quando já tiver decorrido mais de  1/3 do  tempo previsto para a marcação,  o Coordenador de Roda, apenas, retirará o pássaro faltoso, sem interrupção da marcação.

 

            14.6 – O presente REGULAMENTO, foi elaborado e revisado em conjunto pelos Presidentes dos Clubes integrantes da LSB e será válido para qualquer torneio promovido pela   mesma  ou pelos respectivos CLUBES.

 

Presidentes da Liga Sul Brasileira de Criadores de Pássaros.

 

Osvaldo Corsino Vieira – SAC ______________________________________

 

 

Valmir Peres da Silveira – ACPP _________________________________ 

 

 

José Carvalho de Souza – SOJ ____________________________________

 

 

ACCLP

_________________________________

 

 

Tarci Arantes Ramlow – CIC ______________________________________

 

 

João Xavier – SOB _______________________________________________

 

 

 

LIGA SULBRASILEIRA DE CRIADORES DE PÁSSAROS - LSB

 

1 - REGULAMENTO DE CANTO FLORIANÓPOLIS
TEMPORADA DE 2007.

 

1 - MODALIDADE DE COMPETIÇÃO

 

São duas as modalidades de competição que deverão ser realizados nos torneios oficiais ou incentivos:

 

* Canto Florianópolis Clássico com repetição e sem repetição.
* Canto Florianópolis com repetição e sem repetição.

 

1.1 - CANTO FPOLIS CLÁSSICO PRETO OU PARDO

 

Para ser considerado Canto Fpolis Clássico, o Curió deverá possuir as notas básicas do Canto Nativo, que são:

 

* ENTRADA DE CANTO: TI  TIO  TIO (LONGA) ou TI  TI
* PASSAGEM DE CANTO:  TI  TI
* ALTEADA DE CANTO EM 2 NOTAS:  TIUI  TIUI
* REMATE DE CANTO: TIO  TIO  TIO, SEGUIDO DO PANDERINHO QUI  QUI  QUI (OPCIONAL).

 

OBS: Todo Curió que der pelo menos 1 cantada ou canto com alteada com 2 notas (TIUI TIUI) será julgado na categoria de Canto Fpolis Clássico.

 

1.2 – CANTO FPOLIS PRETO OU PARDO

 

            Para ser considerado Canto Fpolis, o Curió deverá possuir todas as notas Nativas acima mencionadas, e a alteada que deverá ser uma nota somente.

 

                        Exemplo: TI  TIO  TIO TI  TI  TIUI TIO  TIO  TIO  QUI  QUI  QUI (Opcional)

 

            O Curió Pode dar cantos sem alteada, mas dentro do padrão do Canto Fpolis sempre prevacerá o maior número de notas e a qualidade do canto.

 

2 – REQUISITOS OBRIGATÓRIOS

 

            O Curió deverá cantar no estilo de Canto Florianópolis, com todas as notas características deste canto regional.
            Serão dadas as notas de zero (0) a dez (10), inclusive as frações, pelo Juiz de acordo com a apresentação do Curió.
            O pássaro que não cantar dentro do canto padrão Florianópolis será posto fora de prova.
            As notas deste canto regional formam uma frase musical, demonstrada da seguinte forma:

 

TIO  TIO  TIO  TI  TI  TIUI  TIUI  TIO TIO TIO/TI  TI  TIUI  TIUI,  TIO  TIO  TIO QUI  QUI 

 

1º CANTO                                2º CANTO

 

3 – REQUISITOS QUALITATIVOS

 

            Além dos requisitos obrigatórios de canto Florianópolis, o Juiz deverá analisar para efeito de notas os seguintes itens qualitativos:

 

* Melodia e colocação de notas
* Andamento de canto
* Voz característica do estilo Florianópolis
* Notas mais longas
                        * Virada de canto
                        * Rasgada de canto
* Arremate de canto em QUI  QUI  QUI  (Panderinho). (Opcional)
* Apresentação do Curió, maior número de cantadas.

 

4 – DEFEITOS DE CANTO

 

            Deverão ser observados todos os defeitos ou deficiências do Curió para a atribuição da nota final, sendo eles:

 

                        * Voz deficiente, muito grossa ou muito fina
                        * Vícios ou notas de outros pássaros
                        * Cortadas de canto
                        * Emitir notas de outros cantos de curiós
                        * Canto desafinado, destoado ou sair fora da melodia de canto.
                        * Omitir notas de canto
            OBS: Para cada tipo de defeito o curió perderá 0,5 ponto, se este defeito se manifestar por mais de 5 vezes, o curió perderá 1 ponto, sendo que a penalização será acumulativa.

 

5 – CATEGORIA DE REPETIÇÃO

 

            5.1 – CURIÓ REPETIDOR: Será classificado como repetidor o Curió que durante a sua apresentação de 5 (cinco) minutos, der pelo menos 2 (duas) cantadas de 8 (oito) cantos completos.
            OBS: A contagem de repetição não será interrompida quando o Curió dividir o canto com rasgada ou descarga.

 

            5.2 – CURIÓ NÃO REPETIDOR: Será classificado como não repetidor, o Curió que durante a apresentação de 5 (cinco) minutos não der 2 (duas) ou mais cantadas de 8 (oito) cantos completos.
            OBS: O Curió para ser julgado deverá dar no mínimo 2(duas) cantadas.

 

 

 

6 – CLASSIFICAÇÃO FINAL E TROFÉUS

 

            Na categoria Canto Fpolis Clássico serão oferecidos 3(três) Troféus para curiós pretos sem repetição, 3 (três) troféus para curiós pardos sem repetição e 1 (um) troféu para o melhor curió com repetição.
           
            * Na categoria Canto Fpolis será oferecido 3 (três) troféus para curiós pretos sem repetição, 3 (três) troféus para curiós pardos sem repetição, 3 (três) troféus para curió preto com repetição e 1 (um) troféu para o curió pardo com repetição.

 

7 – CAMPEÕES DA TEMPERODA

 

            Serão classificados os melhores da temporada pôr categoria. A classificação se fará pela somatória dos pontos obtidos em cada torneio, pelo seguinte critério:
 
1º Lugar  -  10 Pontos
2º Lugar  -   7 Pontos
3º Lugar  -   5 Pontos
4º Lugar -    3 Pontos
5º Lugar  -   1 Ponto

 

            Em todas modalidades de Canto Fpolis, deverão ser classificados 5 (cinco) curiós para efeito de pontuação.
            O curió campeão da temporada será aquele que no final da temporada somar a maior pontuação.

            OBS: O desempate será a favor do curió que tiver o maior número de primeiro lugar.
            Se persistir o empate, o desempate será pelo maior número de segundo lugar e se ainda assim houver empate serão homologados os dois.

 

8 – INSCRIÇÕES DOS CURIÓS

 

            Só terá direito a inscrição nos torneios os associados dos Clubes Ornitofílicos de todo o País e registrados em clubes da LSB e / ou IBAMA, devendo apresentar no ato da inscrição, a carteirinha da LSB e a relação de pássaros em dia, com o número do anel do curió para conferencia, quando necessário.
            É proibida a inscrição do mesmo curió duas ou mais vezes no mesmo torneio.  Nenhum pássaro híbrido poderá ser inscrito nos Torneios.
            A LSB (LIGA SULBRASILEIRA) fixará anualmente o valor da taxa de inscrição.  A gaiola do pássaro inscrito deverá conter obrigatoriamente plaqueta ou etiqueta de identificação, com nome do proprietário, nome do curió, anilha e clube filiado.

 

 

 

9 – HORÁRIO DO INÍCIO DOS TORNEIOS

 

            Todas as Associações patrocinadoras deverão dar início aos torneios às 08:30 hs, com tolerância de 30 (trinta) minutos.
            Os curiós concorrentes deverão ser chamados pela ordem de inscrição.  O curió que deixar de se apresentar na ordem do número da inscrição será automaticamente eliminado. O tempo de apresentação de cada curió será de 5 (cinco) minutos.

 

10 – AMBIENTE DO LOCAL DE TORNEIO

 

            Os torneios deverão ser realizados ao ar livre, de preferência á sombra, exceto em condições climáticas adversas, quando o local poderá ser mudado para recinto protegido.
            A estaca e a mesa julgadora deverão ficar protegidas pôr cordões de isolamento.
            As provas serão feitas na mesma estaca ou em estacas separadas.

 

11 – FORMAÇÃO DOS QUADROS DE JUIZES

 

            Só serão aceitos juizes credenciados pelos clubes filiados a LSB.

 

12 – CASOS OMISSOS E RECLAMAÇÕES

 

            Qualquer reclamação deverá ser feita pôr escrito ao Clube promotor do torneio, que através de seu Diretor de canto Florianópolis, tomará as providencias cabíveis.

 

OBS: Aos associados que não pertencerem a nenhum clube e sendo somente sócios no IBAMA será cobrado o dobro da taxa de inscrição nos torneios.

 

2 – CANTO PEITO DE AÇO - CURIÓ

 

 

Para ser considerado curió canto peito de aço, o pássaro deverá dar cantadas de 8 (oito) ou mais cantos. Só serão contadas as cantadas com assobios, e cada frase musical ou cantada será computada como um canto, não sendo contadas as rasgadas ou serradas.
Os demais cantos com cantadas inferiores a 8 (oito) cantos serão desprezados.

 

3 – CANTO LIVRE – CURIÓ

 

O curió poderá cantar em qualquer estilo de canto com defeitos e aberturas, mas terá obrigatoriamente que cantar um tipo de canto de curió.
Serão marcados os cantos completos até 7 (sete) cantos, as cantadas com meio canto no final do canto valerão 1 (um) canto. Serão desprezadas as rasgadas ou serradas, aberturas ou deficiências no canto, só valendo as cantadas com assobios que formam uma frase musical.
Cantadas acima de 7 (sete) cantos serão marcadas apenas 7 (sete) pontos.
Vencerá o curió que marcar o maior número de pontos ou cantos em 5 (cinco) minutos.

 

4 – CANTO LIVRE - BICUDO

 

O bicudo poderá cantar qual quer estilo de canto, com aberturas ou deficiências, mas só serão aceitos pássaros que cantarem canto de bicudo. Serão marcadas todas as cantadas com assobios, independentemente do número de cantos, com ou sem repetição.
Vencerá o Bicudo que der o maior numero de cantos em 5 (cinco) minutos.

 

5 – CANTO LIVRE – CANÁRIO DA TERRA

 

No Canto Livre de Canário da Terra, todas as cantadas valerão 1 (um) ponto, serão canto curto ou longo, cantou com até 2 (duas) notas, valerá um ponto.
Vencerá o Canário que fizer o maior numero de pontos ou cantadas em 5 (cinco) minutos.

 

 

Presidentes da Liga Sul Brasileira de Criadores de Pássaros.

 

Osvaldo Corsino Vieira – SAC ______________________________________

 

 

Valmir Peres da Silveira – ACPP _________________________________ 

 

 

José Carvalho de Souza – SOJ ____________________________________

 

 

ACCLP

_________________________________

 

 

Tarci Arantes Ramlow – CIC ______________________________________

 

 

João Xavier – SOB _______________________________________________

 

© 2009-2010 ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE PÁSSAROS DE PALHOÇA. Todos os direitos reservados.